Conexão Poder

Sexta-feira, 05 de Agosto de 2022, 18h:44

Carvalho: Grupo de Mauro se fortaleceu ainda mais após candidatura de Márcia Pinheiro

Mauro Carvalho foi escolhido primeiro suplente de Wellington e coordena a campanha política de Mauro Mendes

EUZIANY TEODORO
LEANDRO MAIA

Assessoria

Mauro Carvalho é suplente na chapa de Wellington Fagundes ao Senado

O ex-chefe da Casa Civil do governo de Mauro Mendes (União Brasil) e candidato a primeiro suplente na chapa ao Senado de Wellington Fagundes (PL), o empresário Mauro Carvalho (União) afirmou que o grupo de alianças do governador se uniu “ainda mais” após o anúncio da candidatura de oposição de Márcia Pinheiro (PV).

“O grupo está muito mais unido e coeso com essa candidatura que foi lançada ontem. Isso fortaleceu ainda mais e trouxe para todo o grupo um engajamento, uma motivação muito maior nessa campanha eleitoral”, afirmou, durante convenção do PL, na manhã desta sexta-feira (5).

Márcia foi anunciada candidata em coletiva da federação “Brasil da Esperança”, entre PV, PT e PCdoB. Em seu discurso, ela afirmou que quer representar um projeto alternativo ao governo de Mauro Mendes, com o qual discorda, especialmente pela rivalidade entre ele e seu marido, o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB).

 

 De acordo com Carvalho, o grupo da esquerda encabeçado por Márcia, não representa seus princípios, os princípios do governo, nem de sua família.

 

 “Esse grupo não me pertence e eu não tenho os mesmos valores que eles têm. Todos eles. Todos os valores. A forma deles de administrar uma capital, não é forma que o governador administra o estado de Mato Grosso. Eu não tenho isso como princípio, esses valores não me pertencem. Não é isso que eu quero para mim, nem para minha família”, afirmou.

  

Ainda que o grupo esteja mais forte, segundo ele, isso não significa vitória certa. É preciso trabalhar, como em qualquer campanha.

“Toda campanha é difícil e tem que ser disputada. Estamos trabalhando incansavelmente, independente de quem sejam os adversários. Não existe eleição ganha. Eleição tem que ser disputada e é isso que estamos fazendo, com toda a humildade”, concluiu.