05 de Outubro de 2021, 08h:28 - A | A

Nacional / TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL

Barroso antecipa abertura de código-fonte das urnas eletrônicas

Procedimento era realizado apenas seis meses antes das eleições, mas teve rito adiantado após órgão se tornar alvo de críticas de Bolsonaro

METRÓPOLES




O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deu início, nessa segunda-feira (4/10), à abertura dos códigos-fonte usados no sistema eleitoral. Na ocasião, o presidente do órgão, ministro Luís Roberto Barroso, voltou a defender a transparência das eleições e das urnas eletrônicas.

Os técnicos do TSE explicaram, de forma mais simples, que o código-fonte é a descrição em linguagem de programação de como um software funciona.

A abertura dos códigos-fonte à sociedade civil, incluindo os partidos políticos, é um procedimento rotineiro da Justiça Eleitoral, feito a seis meses do pleito. No entanto, desta vez, foi antecipado.

Em razão dos ataques às urnas eletrônicas feitos pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seus aliados, a Corte eleitoral decidiu antecipar a disponibilização dos códigos-fonte.

A disponibilização antecipada do código-fonte foi determinada em resolução do TSE aprovada por unanimidade pela Corte Eleitoral na última terça-feira (28/9). A nova norma alterou a Resolução TSE nº 23.603, de 2019, que trata sobre os procedimentos de fiscalização e auditoria do sistema eletrônico de votação.

“Sistema flui bem”
Ao agradecer a presença dos presidentes de 22 partidos políticos e de vários representantes da sociedade civil no evento, o ministro lembrou que o sistema eleitoral flui há muito tempo e flui bem.

“Infelizmente, as pessoas não tinham a preocupação em acompanhar a abertura do código-fonte. Não há nenhum segredo: esse é um sistema que está em vigor desde 1996, pelo qual foram eleitos todos os parlamentares que estão aqui. Estamos todos empenhados em prover a sociedade de eleições limpas, seguras e auditáveis”, disse.

“Defunto enterrado”
Durante a cerimônia, Barroso disse que a discussão sobre o voto impresso está encerrada. Ele comemorou que “finalmente o defunto foi enterrado”.

Nos últimos meses, Bolsonaro vem defendendo a volta da impressão do voto, considerada um retrocesso pela Justiça Eleitoral. Em agosto, a Câmara rejeitou e arquivou uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que propunha o voto impresso em eleições, plebiscitos e referendos.

“Tenho a impressão de que, depois que a Câmara votou, que o presidente do Senado disse que não reabriria a matéria e que o próprio presidente da República diz que confia no voto eletrônico, acho que finalmente esse defunto foi enterrado”, disse.

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER