09 de Agosto de 2021, 10h:12 - A | A

Nacional / PAUTA FALIDA

Barroso “apavorou” parlamentares contra voto impresso, diz Bolsonaro

Presidente admitiu que a proposta deve ser rejeitada no Plenário da Câmara. Votação está prevista para terça-feira (10)

METRÓPOLES




O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse, nesta segunda-feira (9), que o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), “apavorou” parlamentares a se posicionarem contra o voto impresso.

O mandatário lembrou que o presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL), definiu que a questão será decidida em plenário, apesar de ter sido derrotada na comissão especial. Apesar disso, ele admitiu que a proposta deve ser derrotada.

“Mas tivemos uma negociação antes, um acordo. E vai ser derrotada a proposta, porque o Ministro Barroso apavorou alguns parlamentares e tem parlamentar que deve alguma coisa na Justiça, deve no Supremo, né?”, apontou.

E explicou a frase: “Então, o Barroso apavorou. Ele foi para dentro do Parlamento fazer reuniões com lideranças praticamente exigindo que o Congresso não aprovasse o voto impresso”, disse o presidente em entrevista à rádio Brado, da Bahia.

Lira prevê para esta terça-feira (10) a votação da proposta de emenda à Constituição (PEC) do voto impresso. Com isso, ele atende aos apelos tanto da oposição quanto do vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), que almejam retirar o assunto da pauta da Casa o mais rápido possível, para que os deputados possam se preocupar com matérias consideradas mais importantes.

O assunto será tratado em um almoço com lideres partidários marcado para esta segunda-feira (9). A maioria dos líderes é a favor de que a proposta possa ter uma definição, o mais rápido possível.

Apelo

Ainda na sexta-feira (6), logo após o anúncio feito por Lira de que levaria a proposta ao plenário, apesar de o parecer favorável ter sido derrotado na comissão especial, Ramos fez um apelo público ao presidente da Casa, pedindo pressa para que a votação aconteça.

Líderes de vários partidos vêm fechando posição contrária à matéria que tem motivado, inclusive, ataques de Bolsonaro a membros do Supremo Tribunal Federal (STF), em especial, ao ministro Barroso, que é um dos defensores do atual sistema eletrônico de votação.

Para ser aprovada, a PEC, de autoria da deputada Bia Kicis (PSL-DF), terá que obter o apoio de três quintos dos parlamentares, ou seja, no mínimo 308 deputados, em dois turnos de votação. Depois disso, precisará ser apreciada pelo Senado e conseguir, no mínimo, 49 votos, também em dois turnos de votação.

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER