23 de Agosto de 2021, 10h:35 - A | A

Nacional / "PEGUE E LEVE"

Bolsonaro defende venda direta do botijão de gás para reduzir preço

Especialistas afirmam que a ideia pode acabar por encarecer o preço do produto para os consumidores devido à falta de fiscalização

METRÓPOLES




O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu, na manhã desta segunda-feira (23/8), a venda direta do botijão de gás, o Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), das distribuidoras para os consumidores. Atualmente, o GLP que sai da Petrobras ou de importadores é comprado por distribuidoras, que repassam o produto aos revendedores ou fazem a venda direta às residências.

O mandatário também voltou a afirmar que o preço está elevado em função de impostos estaduais e defendeu que os governadores zerem o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incide sobre o produto.

“Se um governador qualquer zerar ICMS, eu quero permitir a venda direta do botijão de gás. O que é a venda direta? É exatamente igual ao etanol: as usinas podem vender para o posto do lado, diretamente”, afirmou Bolsonaro em entrevista à Rádio Nova Regional, do Vale do Ribeira (SP). “A gente pode baixar metade do valor do gás. Agora, dificilmente vai encontrar governador que aceite.”

O gás de cozinha tem sido vendido a mais de R$ 100 em algumas localidades do país, o que tem feito com que famílias de baixa renda voltem a cozinhar com fogão à lenha.

Especialistas afirmam, porém, que a venda direta do botijão pode acabar por encarecer o preço do produto para os consumidores devido à falta de fiscalização.

ICMS

Em março deste ano, Bolsonaro zerou o imposto federal sobre o gás de cozinha. A medida é permanente e não tem data para ser encerrada. A redução do gás somente se aplica ao de uso doméstico e em botijões de até 13 quilos. Bolsonaro defende que governadores façam o mesmo.

“Eu zerei os impostos federais do gás de cozinha, zerei. Não tem imposto federal no gás de cozinha. Quanto custa lá na origem, quando ele é engarrafado? Você não pode comprar, mas o vendedor compra a R$ 45 o botijão de gás, R$ 45. Eu gostaria que um governador pelo menos, eu conversei com o governador do estado do Amazonas, ele ia estudar o caso, mas um governador do Brasil, temos 27, que fizesse o mesmo”, disse.

A alíquota do ICMS aplicada sobre o GLP varia entre 12% e 18% dependendo do estado. Segundo informações disponíveis no site da Petrobras, a maior parte da composição do produto é de realização da estatal (48,2%), seguida pela distribuição e revenda (37%) e pelo ICMS (14,8%).

Não é a primeira vez que o presidente atribui o aumento do preço unicamente aos impostos estaduais, em uma queda de braço que tem travado com governadores.

 

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER