06 de Agosto de 2021, 13h:55 - A | A

Nacional / RESPOSTA A CAMINHONEIROS

Bolsonaro diz que vai zerar imposto federal do diesel

Presidente deu recado a caminhoneiros, que cobram medidas para compensar alta do preço dos combustíveis

METRÓPOLES




Em sinalização aos caminhoneiros, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse, nesta sexta-feira (6/8), que pretende zerar o imposto federal sobre o diesel a partir de janeiro de 2022. A declaração foi proferida na saída do Palácio da Alvorada, antes de o presidente partir para agenda em Joinville (SC).

“Nós reconhecemos o trabalho dos caminhoneiros, não só durante a pandemia, bem como em outros momentos. Vocês são essenciais para transportar nossas riquezas para os quatro cantos do Brasil. Sabemos que o combustível está em um preço, no meu entender, caro”, apontou.

Segundo Bolsonaro, o objetivo é buscar maneiras de reduzir o máximo possível esse valor. “Eu não gosto de falar em promessas, né, mas eu gostaria de zerar o imposto federal do diesel a partir do ano que vem. Gostaria, vou me empenhar sobre isso, não posso garantir que será feito. Digo: não é uma promessa, é um estudo”, disse o presidente.

O mandatário também classificou como “inadmissível” o preço da gasolina vendido nos postos.

“Além de diesel, combustível também de maneira geral está alto no Brasil. É inadmissível na refinaria sair R$ 1,90 o preço da gasolina, do litro, e na ponta da linha chegar a R$ 6, R$ 6,10”, reclamou.

A conversa de Bolsonaro com apoiadores foi divulgada por um canal no YouTube simpático ao presidente.

Em 2018, por ocasião da greve dos caminhoneiros, Bolsonaro se aliou à categoria e angariou apoio do grupo para se eleger presidente da República. Desde que assumiu o mandato, ele vem sido cobrado por caminhoneiros, que pressionam por redução no preço do diesel e uma nova tabela de preços para fretes de transporte de carga no país.

Gás de cozinha

Bolsonaro também afirmou que o preço do gás de cozinha está um absurdo e disse que a população deve cobrar as autoridades locais para baratear o valor do botijão.

“O gás de cozinha nós resolvemos a parte federal. No início do ano nós zeramos todo e qualquer imposto do gás de cozinha. Hoje, na refinaria, no início tá na ordem de R$ 45 e em alguns locais chega a R$ 110, é um absurdo”, afirmou.

“Entendo que o gás é o que mais prejudica, né, o que mais pesa no orçamento do mais pobre. Vocês poderiam procurar o deputado estadual, o respectivo governador para ver o que pode fazer no tocante a ICMS do gás. Não é muito, dá pra ser feito, como eu fiz aqui zerando o imposto federal. Reconhecemos a dificuldade financeira dos estados, mas, com todo respeito, acima do estado, acima da União, está o povo que nos sustenta e nos mantém. Então, é o recado que eu dou.”

 

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER