06 de Agosto de 2021, 10h:23 - A | A

Nacional / DEU NA VEJA

CPI recebe investigação contra Doria por compra de máscara sem licitação

Empresa teria usado o nome de Alexandre Frota para vender máscaras ao governo de SP. Doria nega informação

PODER 360




A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado recebeu documentos de inquérito aberto pela Polícia Civil de São Paulo que investiga denúncias de compras irregulares de máscaras de proteção contra covid-19 pelo governo de João Doria (PSDB). A informação foi divulgada pela revista Veja, que teve acesso aos documentos.

Segundo a reportagem, o inquérito investiga possíveis crimes de lei de licitação, pois as máscaras foram compradas com dispensa de licitação sob a justificativa de se tratar de uma compra emergencial para o combate à pandemia. 

Os documentos mostram que a venda teve a atuação de dois intermediários: a Smart Produções e a Fismatek.

Segundo a revista, a ex-diretora da Secretaria da Saúde do Estado Adriana Paschoalin disse em depoimento à corregedoria do Estado que um homem chamado Maurício, que se dizia assessor do deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP), entrou em contato para oferecer uma proposta para a venda de máscaras. Maurício seria Maurício Andreotti, representante da Smart Produções, uma empresa de produção de vídeos que tem a mulher de Frota, Fabi Frota, como apresentadora. 

Segundo a reportagem, a Smart e uma outra empresa nomeada de Fismatek foram intermediárias para a Formed, empresa que vende equipamentos de proteção.

Uma nota de empenho de R$ 104 milhões para a compra de 36 milhões de máscaras foi feita pelo governo de São Paulo em nome da Formed e o negócio estabelecia a entrega do 1º lote de máscaras em 8 dias, indica o inquérito. O dono da Formed, Manuel Nuno, disse à Veja que tinha as máscaras para fazer a entrega quando teria recebido a informação da Smart de que o governo de São Paulo tinha cancelado o contrato. 

À revista, Maurício Andreotti disse não saber do que se tratava o assunto. Ele teria dito aos corregedores que não conhecia a empresa Smart Produções. No inquérito, entretanto, a corregedoria teria imagens que mostram que Andreotti se apresentava como diretor da Smart nas redes sociais.  O deputado federal Alexandre Frota disse apenas que não tem nenhum assessor de nome Maurício. A reportagem não conseguiu contato com a Fismatek.

Em nota, a Secretaria de Saúde de São Paulo afirmou que “não desembolsou nenhum recurso para a compra destas máscaras e multou a Formed em R$ 1,7 milhão, por descumprimento de contrato”.  A defesa de Adriana informou só que o Ministério Público arquivou o caso ainda no 1º semestre do ano passado.

Ao Poder360, o governo de São Paulo informou que “é mentirosa a informação de que a Secretaria de Estado da Saúde de SP destinou R$ 104 milhões para a empresa citada em reportagem da Veja que estaria ligada ao deputado Alexandre Frota”.

“O contrato de compra de máscaras junto à empresa Formed sequer foi efetivado, pois foi cancelado em sua fase inicial pelo descumprimento e indisponibilidade de produtos em termos quantitativos e qualitativos. Portanto, não foi disponibilizado nem um centavo de dinheiro público para compras destas máscaras. Além disso, a empresa foi multada em R$ 1.740 milhão pelo descumprimento do contrato e o recurso está em análise”, disse.

REPERCUSSÃO

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) comentou sobre o assunto em seu perfil no Twitter. Na publicação, o deputado alfineta João Doria com uma referência ao rompimento do governador com o presidente Jair Bolsonaro. “Agora dá para entender por que abandonar Bolsonaro e mudar de lado?”, escreveu.

“O governo João Doria destina R$ 104 milhões para comprar máscaras de empresa ligada ao Deputado Alexandre Frota. O inquérito policial que investiga a compra, realizada sem licitação, foi enviado à CPI da Covid”, disse.

 

 

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER