24 de Julho de 2021, 17h:31 - A | A

Nacional / HEMATOMAS E FRATURAS

Joice diz suspeitar de duas pessoas depois de sofrer agressões

A deputada nega ser vítima de violência doméstica e aciona CNMP para pedir investigação do caso

PODER 360




A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) acionou o Conselho Nacional do Ministério Público nesta 6ª feira (23.jul.2021) para pedir a investigação sobre as agressões que sofreu em seu apartamento em Brasília na madrugada do último domingo (18.jul.2021). Em conversa com o Poder360, a deputada disse já ter 2 suspeitos, nega ter sofrido violência doméstica e diz que pediu à Polícia Legislativa da Câmara para reforçar a segurança nos prédios de apartamentos funcionais.

Por cerca de 2 horas, Joice relatou à promotora de Justiça do Ministério Público de São Paulo, Gabriela Manssur, o episódio, do qual ela diz não se lembrar, e a reação de pessoas na internet que a acusam de estar acobertando um caso de agressão contra a mulher, além de ameaças. Manssur é integrante da Ouvidoria da Mulher no CNMP.

“Estou levantando todas as informações para encaminhar ao Ministério Público. Vou encaminhar todo tipo de violência política e de gênero cometida contra mim. Se eles estão achando que, porque eu estou fisicamente debilitada, eu vou deixar que esse tipo de crueldade siga, eu não vou mesmo. Se acharam que eu ia me assustar, não me conhecem. Se acharam que iam me parar, perderam a chance. Não vou deixar colocarem um bode expiatório nesse caminho”, disse.

O caso já está sendo investigado pela Polícia Legislativa da Câmara e por policiais da Polícia Civil de São Paulo. Ela também prestou depoimento aos agentes legislativos na 6ª feira.

De acordo com Joice, se tivesse sido vítima de um caso de agressão doméstica, seria “a primeira a estar batendo panela” contra. “Eu seria a 1ª a pedir prisão. Com quem quer que seja. Poderia ser meu pai, meu irmão, meu marido. Eu jamais compactuaria com isso”, disse.

A deputada recebeu o Poder360 em seu apartamento em Brasília na 6ª feira. Ela afirma não se lembrar do que aconteceu durante a madrugada de domingo, apenas do momento em que acordou, por volta das 7h, e se viu envolta em uma poça de sangue.

Inicialmente, achou que havia caído ou desmaiado e disse que não procurou um hospital porque o seu marido, o médico neurocirurgião Daniel França, prestou os primeiros socorros. Ela também disse que os hematomas só começaram a aparecer dias depois. Joice descarta a possibilidade de ter sofrido algum mal devido ao uso de remédios controlados. Ela contou que toma Stilnox, um dos remédios mais fortes para tratamento de insônia, há 20 anos. O medicamento possui em sua fórmula a substância zolpidem, um hipnótico com leve efeito sedativo, relaxante e ansiolítico. 

Sérgio Lima/Poder 360

Joice Hasselmann

Deputada afirmou que acordou na manhã de sexta-feira sem saber o que tinha acontecido

Apesar de seu marido e de funcionários estarem em casa na noite do incidente, Joice afirma que ninguém ouviu nada. Por isso, acredita que a ação foi articulada por profissionais. “É alguém que sabia dos meus hábitos”, disse. Segundo Joice, ela e o marido dormem em quartos separados porque o médico ronca.

Joice contou ser lutadora de boxe e muay thai e, por isso, acredita ter sido “apagada” antes de sofrer as agressões. A deputada relatou ter uma lesão na cabeça, pouco acima da nuca, onde acredita que possa ter recebido um 1º golpe.

Como havia quebrado alguns dentes, Joice procurou um dentista na 2ª feira (19.jul.2021). O profissional, porém, viu que havia ossos quebrados em sua face e, só então, a deputada passou a considerar a hipótese de ter sido agredida. Foi aí que ela, convencida pelo dentista, por seu marido e por outros médicos, procurou o hospital Sírio Libanês em Brasília.

Lá, foi diagnosticada com cinco fraturas no crânio e com lesões nos 2 joelhos, costelas e ombros. Não há, porém, indícios de lesões internas na cabeça, de acordo com a deputada. Em vídeo publicado em seu perfil nas redes sociais, ela descreveu os ferimentos; assista abaixo (1min13seg).

Ela também limpou as evidências dentro de casa porque inicialmente achou que tratava-se de um acidente doméstico e só cogitou a hipótese de ter sofrido um ataque dias depois.

Depois de o caso vir à público, na 5ª feira (22.jul), porém, ele passou a ser visto como um episódio de violência doméstica. Joice, no entanto, diz que a hipótese é “machista” e visa desviar o foco do que realmente pode ter acontecido. Ela pretende processar quem tenha incitado publicamente essa versão.

“Depois de tudo o que eu passei, eu ser agredida, inclusive por mulheres de extrema-direita, me acusando, porque é uma acusação contra mim, que eu estaria escondendo algo. Depois de passar por um massacre físico, eu estou sofrendo uma violência política de gênero. Isso é machismo. Falar isso é ofender a minha integridade, é uma fratura na minha alma”, disse.

Medo e segurança reforçada

Perguntada se teme que uma nova agressão aconteça, a deputada afirmou ter triplicado sua segurança particular. “Não sei se temor é uma palavra que combina comigo, mas reforcei minha segurança. Estou com 2 homens armados dentro da minha casa, mais 2 embaixo do prédio”, disse.

Ela também retomou o processo de liberação do seu porte de arma. Falta apenas a realização da prova de tiro, de acordo com ela. “A partir de agora não vou dormir sem uma arma na minha cabeceira e sem meus seguranças. O que aconteceu não foi obra do Espírito Santo e nem de uma única pessoa”, disse.

Apesar do ocorrido e das lesões, a deputada considera que teve sorte no episódio. “Se a ideia era chegar ao ponto de me matar, eles teriam cortado meu pescoço mais para baixo”, disse. Por enquanto, a recuperação será feita em casa mesmo, mas uma nova avaliação médica deverá ser realizada nos próximos dias. De acordo com ela, a recuperação está evoluindo muito bem.

A deputada também relatou que pediu à Polícia Legislativa para intensificar a segurança dos apartamentos funcionais, cedidos aos deputados. De acordo com ela, só há câmeras de segurança nas áreas comuns e nos elevadores. Não há equipamentos, no entanto, nas escadas e na entrada dos apartamentos. E, também de acordo com ela, a Câmara possui as chaves de todos os apartamentos ocupados pelos deputados. 

 

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER