18 de Setembro de 2021, 18h:10 - A | A

Poderes / PREÇO NAS ALTURAS

Cattani diz que vai "emplacar" CPI do Gás em novembro

Investigação foi proposta pelo deputado Gilberto Cattani, que quer saber o motivo do alto custo do botijão de gás

CAMILLA ZENI
DA REDAÇÃO




O deputado estadual Gilberto Cattani (PSL) afirmou que não desistiu de instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar o elevado preço do gás de cozinha em Mato Grosso. Segundo ele, o requerimento de abertura deve ser reapresentado no mês de novembro.

“Nós conseguimos 17 assinaturas, mas tiveram dois deputados que retiraram as assinaturas para inviabilizar a CPI. Mas, no mês de novembro, se não me engano, encerram-se as outras, e aí eu vou precisar só de oito [assinaturas]”, explicou o deputado nesta semana.

A intenção de abertura da CPI foi declarada no mês de agosto, diante de um anúncio da Petrobrás de reajuste de preço, que causou intensa discussão entre o governo federal e estadual.

Em visita a Mato Grosso, o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), chegou a culpar os estados, alegando que o alto custo se daria em razão do ICMS. O governo do Estado, porém, rebateu diversas vezes, afirmando que a alíquota do ICMS não é reajustada há 10 anos. Ainda, afirmou que a alíquota mato-grossense, de 12%, é a menor do país

O deputado estadual, então, propôs a CPI para saber onde está a maior parte do custo do gás de cozinha, que em Mato Grosso chega a custar R$ 140. De acordo com a Petrobrás, o preço do GLP é formado por 48% do custo da estatal, 12% pelo ICMS aplicado em Mato Grosso e 40% pelo custo da distribuição e da venda. O governo federal não aplica impostos federais sobre o produto.

Pelo regimento interno da Assembleia, o Legislativo pode ter apenas três CPIs em andamento ao mesmo tempo, o que já acontece no Parlamento. Atualmente, os deputados investigam a renúncia e sonegação fiscal, da Energisa, para investigar o alto custo da energia no estado, e da previdência dos servidores estaduais.

As três CPIs foram instaladas em 2019 e receberam sucessivas prorrogações. A expectativa é que as CPIs da Energisa e da Renúncia e Sonegação Fiscal se encerrem no mês de novembro.

Saiba mais

Russi nega articulação do governo, mas diz que “CPI tem que valer a pena”

Mauro: Se dependesse de mim isentava o ICMS; depende do Confaz

Cattani consegue apoio de deputados e MT terá CPI sobre preço do gás

Deputado propõe CPI na Assembleia para investigar valor do botijão em MT

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER