20 de Outubro de 2022, 10h:00 - A | A

Poderes / "TAPETÃO"

Delegado Claudinei busca TSE para tentar ficar com vaga de Juca do Guaraná na Assembleia

Deputado quer descongelar votos do corregelionário, o ex-prefeito de Chapada, Gilberto Mello

THAIZA ASSUNÇÃO
DO CONEXÃO PODER



O deputado estadual Delegado Claudinei (PL), que não conseguiu se reeleger, buscou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para tentar descongelar os votos do ex-prefeito de Chapada dos Guimarães, Gilberto Mello, que também tentava uma vaga na Assembleia Legislativa, para manter sua cadeira no Parlamento.

O registro de candidatura de Mello foi indeferido pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e ele disputou a eleição sub judice. O ex-prefeito teve 7.260 votos.

Caso os votos sejam descongelados pelo TSE, Claudinei toma o lugar do vereador de Cuiabá, Jucá do Guaraná, (MDB) no Legislativo.

 

 

“Se os votos do candidato Gilberto Mello não tivessem congelados, hoje eu seria o deputado formalmente reeleito pela somatória, pela regra da sobra dos votos na legenda”, afirmou o delegado.

 

 

Isso porque, ao todo, o MDB recebeu 217.896 votos e conseguiu eleger três deputados dentro do quociente eleitoral, que foi de 72.099 votos no Estado. Juca teve 20.723 votos e entrou pela chamada sobra, formando uma bancada de quatro parlamentares emedebistas.

 

 

Já o PL teve o equivalente a 156.642 votos, elegendo dois deputados estaduais pelo quociente eleitoral, mas com menos votos na sobra que o MDB.

Ocorre que somando os votos de Mello, o PL pode chegar a 12.444 votos de sobra contra 1.599 do MDB, o que garantiria à legenda a vaga no Legislativo, que ficaria com Claudinei. 

Segundo o delegado, a previsão é que o TSE faça o julgamento do processo antes da diplomação dos novos deputados. “

Tem uma previsão no TSE de decidir todos [os processos], referentes a esses registros que foram indeferidos nos estados, antes das diplomações”, disse.

Ele ainda afirmou acreditar que pode o TSE reverter a decisão do TRE. Mello teve o registro de candidatura indeferido uma vez que teve as contas rejeitadas por irregularidades insanáveis e por decisão irrecorrível pelo Tribunal de Contas da União (TCU) quando era prefeito de Chapada, entre os anos de 2005 e 2008.  

“Eu, na verdade, não conheço a fundo o processo dele, mas pode ser com essa nova mudança na própria lei de improbidade administrativa, que a agora exige o dolo do gestor tal, ajudar a descongelar esse processo”, pontuou.

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER