14 de Outubro de 2021, 11h:29 - A | A

Poderes / ICMS DOS COMBUSTÍVEIS

Mauro critica projeto de Emanuelzinho: "Populista, estapafúrdio e eleitoreiro"

Governador afirmou que projeto aprovado na Câmara vai impactar na receita de Mato Grosso; "Câmara ataca o problema pegando um lado apenas” disse

CAMILLA ZENI
DAFFINY DELGADO




O governador Mauro Mendes (DEM) avaliou que a aprovação do texto-base que apresenta um valor fixo para a cobrança de ICMS sobre combustíveis pode ser uma simples medida populista e eleitoreira dos deputados federais, caso não seja feito um dispositivo para travar os preços cobrados pela Petrobras.

Na visão do governador, a medida, se não mexer com a empresa estatal, será apenas prejudicial para os estados, diante da possível perda de receita causada com a mudança na alíquota.

“Eu sempre disse que é muito preocupante. Nós temos um problema grave no país que é a Petrobras aumentando sucessivamente, todos os meses, o preço dos combustíveis, e a Câmara ataca o problema pegando um lado apenas”, comentou Mauro, na manhã desta quinta-feira (14).

“Eu já disse que até concordo, mas ela tem que congelar o preço da Petrobrás também, da mesma forma que fez com o ICMS. Se ela fizer isso, eu vou aplaudir os deputados. Senão, eu vou chamar isso de medida populista e eleitoreira, que traz graves prejuízos para os estados brasileiros”, completou.

Leia também - Câmara Federal aprova projeto de Emanuelzinho que fixa imposto sobre combustíveis

Segundo o governador, o Estado ainda não fez o cálculo do impacto na receita estadual caso o texto seja aprovado no Senado e sancionado. No entanto, ele diz que é possível afirmar que Mato Grosso sofrerá perda de receita.

Pela proposta, os estados devem fixar uma alíquota para cada produto por unidade de medida (o litro, por exemplo), e não mais sobre o valor da mercadoria. Essas novas alíquotas não podem exceder, em reais por litro, o valor médio dos preços finais cobrado dos consumidores ao longo dos dois últimos anos.

Mauro afirmou que “o que o estado podia fazer, com responsabilidade, ele fez”, se referindo ao anúncio do pacote de redução de ICMS para serviços de comunicação, energia elétrica, gás industrial e comercial e combustíveis, anunciado em setembro.

O governador ainda avaliou que o melhor seria o Congresso Nacional realizar a reforma tributária, que é cobrada há anos e nunca foi feita, do que aprovar medidas “estapafúrdias”, ou seja, sem prudência.

“Negócio que é feito a toque de caixa, da noite para o dia, me parece algo que não foi muito bem estudado. Tem uma reforma tributária que deveria ter sido feita há décadas nesse país e o Congresso não tem coragem de enfrentar esse tema, aí aparecem essas medidas estapafúrdias. Eu não conheço muito bem os reflexos, mas a mim não agrada”, finalizou.

Apesar da aprovação do texto-base na Câmara, o projeto ainda será analisado no Senado e pelo presidente Jair Bolsonaro para ir à sanção.

Leia ainda

Mauro: Petrobras é quem tem que parar de “arrancar o couro” da população

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER