23 de Julho de 2022, 15h:11 - A | A

Poderes / ANÁLISE

Onofre: Polarização deixou a política "a Deus dará” e intervenção militar pode ser inevitável

De acordo com o analista, em um cenário de desarmonia social, a intervenção militar provocaria rupturas necessárias

LEANDRO MAIA
DO CONEXÃO PODER



A racionalidade das eleições em outubro depende muito de quanto Jair Bolsonaro (PL) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT), os dois líderes da polarização política no Brasil, estão dispostos a amenizar ou, então, a botar ainda mais “gasolina” nos ânimos em erupção entre os eleitores que se dividem entre eles.

Para o analista político Onofre Ribeiro, a polarização deixou a política "a Deus dará”. De um lado, o presidente Bolsonaro está “jogando” a reeleição e o projeto de continuidade de poder; do outro, o ex-presidente Lula está “jogando” a sua biografia e o futuro da esquerda na América Latina.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

 

>>> Receba notícias no Telegram e fique bem informado

 Essa disputa pelo Palácio da Alvorada, oxigenada pela polarização, pode estar caminhando para o ambiente da instabilidade. Essa tese é reforçada pelo cenário de violência política, notícias falsas sendo espalhas nas redes e a falta de entendimento entre as instituições, que podem resultar em uma eleição “não racional” e “sem clima” para votação.

“A eleição corre o risco de ser uma eleição desinstitucionalizada. A polarização não é instituição. Nós perdemos as almofadas da harmonia entre os Poderes. As instituições caminham em sentidos opostos”, critica.

 

Pensando em uma situação em que o caos se instale nas ruas - motivada pela polarização política -, o Artigo 142 da Constituição Federal permite a intervenção das Forças Armadas para reestabelecer a ordem, garantindo a democracia e soberania nacional. Sendo assim, em uma eventual ação do exército, o Congresso Nacional seria fechado, novas leis seriam aprovadas e novas eleições seriam convocadas.

 

Na visão de Onofre, essa ideia de intervenção interessaria a ambos os candidatos, que disputam a Presidência da República, já que poderiam se beneficiar de novas eleições, caso um deles se veja em desvantagem para o pleito.

 

 “A perda de identidade dos partidos abre espaço para essa polarização. Não temos mais partidos orgânicos. Os partidos se esvaziaram e se transformaram em grupos oportunistas em busca pelo poder”, finaliza.

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER