23 de Maio de 2022, 18h:11 - A | A

Poderes / DEBATE NA AL

Wilson critica que tirar MT da Amazônia Legal é 'maluquice'

A proposta é do deputado federal Juarez Costa (MDB), que confirmou presença no encontro, mas não apareceu.



A Comissão de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Minerais realizou uma reunião extraordinária, nesta segunda-feira (23), para discutir o projeto de lei nº 337/2022, em trâmite na Câmara Federal, que pretende excluir o Estado de Mato Grosso da região denominada Amazônia Legal.

 A proposta é do deputado federal Juarez Costa (MDB), que confirmou presença no encontro, mas não apareceu.

O deputado Wilson Santos (PSD), membro da Comissão, reprovou a ausência de Juarez e ainda chamou a proposta de “maluquice”.

“Não dá para entender: uma proposta polêmica como essa, o mundo inteiro quer a Amazônia e aparece um deputado de Mato Grosso, onde dois terços de todo o território mato-grossense é amazônico, apronta todo esse reboliço e no dia da audiência pública, sequer aparece. Eu espero que ele tenha uma justificativa plausível, mas o deputado Juarez na minha concepção tem que retirar o projeto. É uma maluquice total”, afirmou.

 

Leia mais - Neri será relator de projeto que tira MT da Amazônia Legal para aumentar área agrícola

Mauro diz que MT pode perder indústrias se sair da Amazônia Legal, mas é a favor

Para Wilson, retirar Mato Grosso da Amazônia Legal é um retrocesso à produção sustentável e proteção ao meio ambiente. Para ele, o melhor seria o projeto ser retirado de pauta.

 

“Qualquer produto que tenha ‘lembrança’ da Amazônia é supervalorizado no mundo inteiro e o que cabe a nós, mato-grossenses e brasileiros, é definir como exploraremos essa biodiversidade, essa riqueza que ninguém no mundo tem. De maneira racional, sem destruir, que haja um desenvolvimento sustentável. É uma pena que o próprio autor dessa maluquice não compareça. Eu espero que essa ausência do próprio autor signifique a desistência desse projeto”.

O deputado federal Neri Geller, relator da proposta na Câmara Federal, compareceu à audiência e defendeu a proposta. Segundo ele, sair da Amazônia Legal, não significa aumentar o desmatamento.

“Nosso objetivo não é tirar Mato Grosso da Amazônia para que haja mais desmatamento. O desmatamento ilegal deve ser combatido. Queremos sim rediscutir esse tema para que quem produz seja compensado e não prejudicado”, disse Neri.

 

O projeto é polêmico. O PL aumenta a área disponível para plantio, derrubando os limites de preservação da mata nativa impostos pela Amazônia Legal. Para ambientalistas, a medida vai apenas “legalizar o desmatamento”.

Após análise da Câmara dos Deputados, deve passar pelo crivo, também, do Senado e do presidente da República.

Fazem parte da Amazônia Legal os estados do Acre, Pará, Amazonas, Roraima, Rondônia, Amapá e Mato Grosso e as regiões situadas ao norte do paralelo 13º S, dos estados de Tocantins e Goiás, e ao oeste do meridiano de 44º W, do estado do Maranhão.

 

Os limites impostos para reserva legal são: 80% no imóvel situado em área de florestas; 35% no imóvel situado em área de cerrado; e 20% no imóvel situado em área de campos gerais.

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER