04 de Março de 2022, 07h:31 - A | A

Poderes / “INEFICIÊNCIA COMPLETA”

Wilson diz que relatório de CPI vai escrachar ‘farra da sonegação’ em Mato Grosso

Os alvos da investigação foram quatro setores: combustíveis, mineração, frigoríficos e agronegócio.

EUZIANY TEODORO
DA REDAÇÃO



O deputado estadual Wilson Santos (PSDB), que preside a CPI da Sonegação Fiscal na Assembleia Legislativa, afirmou que o relatório final, que será apresentado no dia 20 de maio, vai “escrachar a farra da sonegação” que existe em Mato Grosso.

“Vai expor uma farra de sonegação que há em Mato Grosso, a ineficiência quase que completa da fiscalização sobre a área de combustíveis, especialmente sobre as usinas de etanol. A farra total e solta que corre o setor da mineração. O agro que tem práticas irregulares, ilícitas e desonestas com o fisco estadual, tudo isso deve constar no relatório final”, anunciou o parlamentar, após oitiva de ex-conselheiros da Aprosoja nesta quinta-feira (3).

Os alvos da investigação foram quatro setores: combustíveis, mineração, frigoríficos e agronegócio. Os relatórios das investigações sobre combustíveis e mineração já foram entregues à Secretaria de Fazenda, mas as sugestões da CPI não foram atendidas.

“Uma das sugestões que a CPI fez foi a implantação de uma delegacia especializada em crimes na área de combustíveis. Nós sabemos que há em torno de 18% de sonegação nessa área, é o setor em que a população mais paga impostos, um volume que ultrapassa R$ 700 milhões ao ano, e sabemos que o setor que mais sonega é do etanol”.

A CPI chegou a entregar os nomes de duas usinas de etanol comprovadamente sonegadoras, mas nada foi feito a respeito até agora. “Entregamos os nomes de duas usinas de etanol no Estado que são ‘eira e vezeira’ em sonegação. Que misturam água no etanol. Não há dúvida de que a Sefaz, junto com a Defaz (Delegacia Fazendária), vem fazendo um trabalho muito bom em relação à evasão, mais em relação às sugestões da CPI, pouca coisa foi atendida”, lamentou o tucano.

De acordo com o deputado, para cada um real pago em imposto em Mato Grosso, 10 reais são sonegados. “Os próprios mineradores admitem que há uma inexistência de fiscalização”.

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER