03 de Agosto de 2020, 13h:50 - A | A

Programas / VEJA O VÍDEO

Chefe do MP: Liberação de armas dá falsa sensação de segurança e gera pandemia de mortes

Para o procurador-geral de Justiça do Estado a liberação de armas aumenta número de mortes acidentais e por assassinato.

MÁRCIA MATOS
DA REDAÇÃO




O chefe do Ministério Público de Mato Grosso, o procurador-geral de Justiça José Antônio Borges criticou, em entrevista ao Conexão Poder, a liberação da posse ou porte de armas no Brasil, até mesmo para prática de tiro esportivo, por considerar que o aumento da circulação de armas gera falsa sensação de segurança e causa mais assassinatos e mortes acidentais.

“Há estudos que a cada 2% de armas circulando, aumenta 1% de morte no país com acidente de armas. Então temos que ter  a cultura da paz. Quem tem que ter armas é a polícia. Já temos uma pandemia. O Brasil tinha baixado rap 52 mil mortes por ano, mas já chegamos a 60 mil mortes por ano, de homicídio. Mais 40 mil mortes por acidentes de trânsito. Por ano morrem nesse país 40 mil de trânsito e 60 mil por armas de fogo. Essa liberdade total para a pessoa fazer o que quiser, ele não está fazendo só com ele próprio. Isso tem consequências para a sociedade”, disse.

O procurador representou junto à Procuradoria Geral da República pedido para que seja anulado o decreto presidencial que permite adolescentes de 14 a 18 anos praticarem tiro esportivo. A medida ocorreu após a morte da adolescente Isabele Guimarães, atingida por um tiro na cabeça, quando estava com a amiga, também adolescente, que praticava tiro esportivo. Borges argumenta que menor de idade não tem preparo psicológico formado para manusear armas. Ele também apontou que as armas de colecionadores, como as encontradas nas casas das famílias envolvidas neste caso, podem ir parar nas mãos de bandidos.

Veja o vídeo:

Comente esta notícia

Andhrey Fernandes 04/08/2020

Olha na mão de quem a população de bem fica... esse procurador é uma piada de mal gosto.

Edwilson 04/08/2020

Se o procurador ficar sem seguranças e sem armas há de se estudar o caso de não ter armas, um cidadão se precisar da polícia em duas horas ela chega no endereço .

Alyrio Cardoso Filho 04/08/2020

O Procurador deveria também deixar de andar armado e dispensar seguranças, dar o exemplo. Notoriamente vemos um procurador que vai contra a vontade popular, lamentável posicionamento, Agora, caso o distinto procurador, deixe aqui na minha casa em Mimoso, seguranças 24 horas por dia, com certeza mais que absoluta, passarei a levantar a sua bandeira do desarmamento, enquanto isso não ocorre, continuarei armado e também ensinando meus filhos a usarem uma arma com responsabilidade.

3 comentários

1 de 1


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER