02 de Abril de 2020, 09h:29 - A | A

Programas / EFEITO PANDEMIA

Júlio considera precipitado adiar eleições municipais e sugere voto online

O democrata espera que o Brasil se recupere a tempo das restrições causadas pela pandemia e avalia que o país tem condições de aperfeiçoar um sistema para que eleitores votem sem sair de casa.

MÁRCIA MATOS
DA REDAÇÃO



Vice-presidente do Democratas em Mato Grosso e pré-candidato ao Senado, o ex-governador Júlio Campos declara em entrevista ao Conexão Poder que considera precipitado decidir agora  pelo adiamento das eleições municipais de 2020, devido à pandemia do coronavírus. Entre suas considerações, ele pontua que o voto poderia ser feito de forma online.

Júlio Campos avalia que o país pode se recuperar do intenso abalo causado pela doença, ainda a tempo de organizar e realizar as eleições, mas afirma ser favorável se a medida for necessária.

“Por enquanto acho precipitado, porque o projeto eleitoral da eleição municipal começa em julho, na primeira quinzena de julho para oficializar e organizar convenções, Se até lá estiver essa situação de pandemia no Brasil, aí vai ter que tomar uma providência de realmente transferir para outra oportunidade, que seja para o ano que vem, ou para aquela tese de coincidir todas as eleições em 2022”, argumenta.

Questionado sobre a eficiência dessa possibilidade de unificar as eleições em 2022, o democrata lembra que já participou de eleição nesse modo, em 1982, quando disputou o Governo do Estado e avalia que a medida é mais econômica e dá certo.

“Então, já enfrentei essa eleição e o povo não teve nenhuma dificuldade de votar, e o povo brasileiro há 30 anos atrás não tinha tanta educação, tanta cultura como tem hoje, com tanta informação e modernização. Eu tenho certeza que a próxima eleição poderia votar até por sistema de APP, né. Em casa. Nem precisa comparecer às urnas. Já tem biometria, então você pode muito bem colocar a biometria no seu celular e votar”, avalia.

Júlio Campos enfatizou que, no caso do adiamento da eleição suplementar ao Senado, a qual lançou seu nome, antes mesmo da decisão do Tribunal Superior Eleitoral, ele já manifestava que era a favor da medida, pois considerava que o pleito em 26 de abril era impróprio devido à pandemia.

A proposta de unificar as eleições e 2022 vem ganhando força no Senado. O senador de Mato Grosso, Wellington Fagundes (PL) é autor de uma PEC referente à medida.

A estimativa de economia com o adiamento é de até R$ 1,5 bilhão, além dos recursos do fundo eleitoral, que não seriam utilizados. 

Comente esta notícia

Terezinha de Jesus 02/04/2020

Resposta a TEKA: você e' uma frustrada contra a inteligência,dignidade e sucesso político do Dr.Julio Campos, pois oque ele falou tem apoio da maioria do povo Matogrossenses. Realmente por enquanto e' cedo para falar de adiamento das eleições de Prefeito e Vereadores prevista para 4 de Outubro. Vamos aguardar os fatos até início de Julho , e aí decide se teremos eleição ou prorroga o mandato dos atuais titulares.

Teka Almeida 02/04/2020

É um OPORTUNISTA de plantão. Aproveita a chama o Jânio Calistro prá ser seu suplente... Agora sim o DEM acertou no seu mais novo filiado. É BEM MATO GROSSO. VERGONHA ALHEIA.

2 comentários

1 de 1


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER