09 de Fevereiro de 2020, 09h:00 - A | A

Programas / ESTADO MÍNIMO

Pivetta: Não temos mais que fazer concurso nem dar estabilidade pra ninguém

O vice-governador Otaviano Pivetta defende que o Estado seja um administrador de contratos e que privatize tudo, prestando apenas os serviços essenciais

MÁRCIA MATOS
DA REDAÇÃO




Em entrevista ao Conexão Poder, o vice-governador, Otaviano Pivetta (PDT) revela ser contra a estabilidade do servidor público e defende que o Estado privatize serviços de atendimento, inclusive da Saúde Pública.

“Aquilo que é possível comprar no mercado privado, nós temos que comprar. O Estado precisa ser um administrador de contratos. Agora, o Estado não pode se omitir de prestar alguns serviços essenciais, que só ele pode prestar e aí cito a Educação, Saúde Pública, a infraestrutura e a Segurança Pública. Fora essas quatro áreas não temos que fazer concurso público. Não temos que dar estabilidade para ninguém”, argumenta Pivetta, que é pré-candidato ao Senado.

Na entrevista, ele pontua que  até os hospitais deveriam ser administrados de forma privada, o que, segundo ele, seria mais eficiente e econômico.

“Posso comprar bens, serviços e colocar à disposição da sociedade e o Estado fazer a gestão dos contratos, o que é muito mais fácil do que fazer gestão de milhares de pessoas pelo Estado afora, sem poder acompanhar”, defende ao avaliar que o Estado não consegue ter controle sobre seus servidores.

Pivetta comenta que essa discussão vem sendo feita no Governo do Estado e algumas parcerias já concebidas.

Veja o vídeo:

Comente esta notícia

Carlos darck Pereira da Silva 21/09/2020

Mais que tal tercerizarmo os cargos de prefeito deputados e senadores reduzira bastante a Folha também porque as empresas que ganhar o serviço que vai pagar seus salários

Anderson Eickhoff 19/08/2020

Não entendo. Se o serviço público é tão ruim, pq ele quer comtinuar sendo um? Afinal, prefeitos e senadores são funcionários públicos. Ou não?

Olinda da Silva 18/08/2020

Não vai fazer concurso, em contrapartida, vai encher a folha de pagamento de cargos comissionados, recebendo altos salários. Comissionados para mamar no Estado. Temos que não eleger nem o Mauro Mendes e nem o Piveta.

Olinda da Silva 18/08/2020

Mais um motivo para não ter meu voto e de minha família.

Alesandro 15/03/2020

Sim devemos privatizar principais acaba com os políticos com a estabilidade é fórum privilegiado para político.cometeu crime deve ser punido imediatamente,nao ficar com os seu privilegio e seu luxo. para os políticos não é profissão. Por que todos tem medo de funcionário público, pois sao os funcionários públicos que revela a mal administração os incompetentes políticos .para que não saber se um funcionários cometem algum imprudência existe a perca do seu concurso. E para os políticos existem o que?

Mario marcio de arruda 15/03/2020

Desde que se faça um concorrência sem direcionamento e, que as empresas não sejam de parlamentares ou laranjas! Hoje se fizer um lêvantamento tem mais terceirizado e comissionado do que servidor efetivo. Conforme LRF. Se os poderes fiscalizasse com resp. Seria diferente.

Frederico ponce 13/03/2020

ESSE senhor já está.montando empresas para substituir serviços dos funcionários públicos, a que preço, ladraozinho, Lucas do Rio Verde é que te.compra. Vai levar pau na campanha.

Douglas 13/03/2020

Isso mesmo, vamos privatizar tudo, afinal as empresas são deles né... Os tubarões da política, ai fica legal eles se inrriquecerem através do serviço público ( a terceirização) kkkkk meu voto nunca terá!!!

Pardal 13/03/2020

Tudo o que a boca fala, o coração está cheio. Por isso, não acreditei na fala dele. O Servidor Público deve ser respeitado e valorizado e não descartado! Este é um ano Político e o povo já acordou e dará o troco.

Os caras ao invés de qualificar os servi 12/03/2020

É brincadeira os servidores carregam a máquina agora vem desestabilizar os servidores ta loco

26 comentários

1 de 3
Última


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER