30 de Dezembro de 2019, 10h:40 - A | A

Repórter MT / RETROSPECTIVA

Dezoito anos após fraude, deputado é condenado a 2 anos de prisão

RAUL BRADOCK
DA REDAÇÃO



A condenação do deputado Romoaldo Júnior (MDB) a 2 anos de prisão, perda do cargo e dos direitos políticos marcou 2019, uma vez que o processo já se arrastava há 18 anos no Judiciário mato-grossense.

Conforme noticiado pelo #reportermt, a pena de prisão de Romoaldo deve ser cumprida em regime aberto, porém, a pena mais grave se refere à perda dos direitos políticos e da função pública que exerce. Ele foi condenado em 28 de novembro.

Ação é referente à simulação de compra de um terreno, enquanto Romoaldo ainda era prefeito de Alta Floresta, no ano de 2001.

Após a descoberta da fraude, ele passou a ser acusado de desvio de bens públicos em proveito próprio e de falsidade ideológica.

O valor do terreno ‘fake’, à época, custou R$ 19,5 mil. Também são réus no processo Ney Garcia Almeida e Paulo César Moretti.

A condenação aconteceu durante sessão no Pleno do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, no dia 28 de novembro.

A maioria dos desembargadores acompanharam o voto da relatora do caso, desembargadora Maria Erotides Kneip Baranjak.

Ela já havia votado para condenar o réu a 2 anos e três meses de reclusão – inicialmente em regime aberto, além da perda do cargo ou função pública.

A decisão cabe recurso e Romoaldo continua exercendo o cargo de deputado. Ele assumiu a vaga do professor Allan Kardec, que foi nomeado secretário de Estado de Cultura, Esporte e Lazer. Romoaldo obteve 18.467 votos pela coligação Pra Mudar Mato Grosso – desta vez saindo da suplência, ele assume seu 6º mandato garantindo como deputado, um dos mais antigos da Assembleia Legislativa.

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER