26 de Setembro de 2019, 14h:37 - A | A

Repórter MT / OPERAÇÃO RÊMORA

STF quer saber se Malouf está pagando valor combinado em delação

KAROLLEN NADESKA
DA REDAÇÃO



O ministro relator do processo oriundo da Operação Rêmora, Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), acolheu pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para verificar se o empresário Alan Malouf, dono do Buffet Leila Malouf, tem cumprido com o acordo de colaboração premiada referente à devolução do dinheiro desviado, por meio de esquema de corrupção, da Secretaria de Estado de Educação (Seduc).

“Requer seja oficiado ao Juízo da Sétima Vara Criminal de Cuiabá/MT, solicitando informações atualizadas e pormenorizadas acerca do cumprimento das cláusulas acordadas pelo delator, referentes ao pagamento dos valores e eventual cumprimento de pena”, diz decisão da última segunda-feira (23).

O ministro enfatizou que o deferimento é em virtude da homologação da delação que, ante a data de 22 de agosto de 2019, dá competência da Sétima Vara Criminal de Cuiabá para acompanhamento dos termos, pois, o processo encontra-se em Mato Grosso.

“Destacou que, em virtude da homologação do acordo pelo Supremo, não há como afastar a competência do Tribunal para examinar controvérsias alusivas à respectiva eficácia, sem prejuízo da declinação quanto aos procedimentos investigatórios ou processos oriundos dos depoimentos prestados e elementos apresentados pelo delator”, diz.

Nas cláusulas, o empresário teria se comprometido a pagar R$ 5,5 milhões, sendo R$ 4 milhões a título de multa e R$ 1,5 milhão por indenização de danos morais.

À época, o empresário deu como parte do pagamento um apartamento no Condomínio Forest Hill, que fica na rodovia Emanuel Pinheiro, e uma sala no Edifício Jardim Cuiabá Office & Flat, situado na Avenida Miguel Sutil, avaliados no montante de R$ 3,3 milhões.

Já o restante do valor foi parcelado em 10 vezes, com a última parcela prevista para 31 de dezembro de 2022. 

Operação Rêmora

A Operação Rêmora levou para a cadeia agente públicos e empresários envolvidos em esquema de propina em licitações da Secretaria de Educação.

 Alan Malouf, preso na segunda fase da operação, a Gran Vizir, afirmou que foi coordenador financeiro da campanha do ex-governador Pedro Taques (PSDB), na qual houve esquema de caixa dois e que o esquema na Seduc foi feito para pagar contas de campanha.

Em seu depoimento, Malouf afirmou que Taques sabia do esquema. Ele também complicou o ex-deputado federal Nilson Leitão (PSDB), além do deputado estadual e hoje conselheiro do Tribunal de Contas, Guilherme Maluf. Todos os acusados negam envolvimento no desvio de dinheiro público. 

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER