06 de Fevereiro de 2020, 08h:20 - A | A

Repórter MT / DENÚNCIA DE SERVIDORA

Vereadores prestam depoimentos sobre armação contra Emanuel

RAFAEL MACHADO
DA REDAÇÃO



Três vereadores de Cuiabá prestaram depoimento, na última semana, à Delegacia Especializada de Combate à Corrupção (Deccor), sobre a denúncia feita pela servidora do Hospital São Benedito Elizabete Maira de Almeida contra o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), sobre a suposta compra de votos para cassar o mandato do vereador de oposição, Abílio Júnior (PSC), que é alvo de processo na Comissão de Ética na Câmara.

O prefeito também foi intimado pela Polícia Civil para depor. Ele deve escolher uma data após o dia 10 de fevereiro para ser ouvido pelo delegado responsável pelas investigações, José Ricardo Garcia Bruno.

Os parlamentares Jucá do Guaraná (Avante), Ricardo Saad (PSDB) e Chico 2000 (PL) confirmaram que estiveram na delegacia.

Em novembro de 2019, Elizabete denunciou um suposto esquema de compra de votos entre o prefeito e vereadores para cassar o mandato de Abílio Júnior. O fato teria ocorrido durante uma festa na casa do vereador Jucá do Guaraná, no condomínio Belvedere.

No entanto, a servidora teria admitido em depoimento na Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz), no início de janeiro, que teria participado de uma armação contra o prefeito.

Ela teria contado com o apoio do vereador Abílio Júnior e advogados. Eles teriam, segundo a servidora, se encontrado em um hotel um dia antes dela realizar a denúncia contra Emanuel. O advogado de Elizabete, Emerson Marques, confirmou o depoimento dela na Defaz, mas não comentou sobre as declarações devido às investigações ocorrerem em segredo.

Medidas judiciais

Ao ficar sabendo do depoimento desmentindo o caso, o prefeito Emanuel Pinheiro chamou a servidora de “farsante criminosa” e “psicopata”. O emedebista classificou o ato cometido por ela como criminoso, perverso e de pura maldade.

Ele comentou que seus advogados estão tomando medidas cabíveis e afirmou que vai recorrer à Justiça “porque isso aí não vai ficar impune”.

O prefeito falou ainda que já pediu para que a Procuradoria Municipal de Cuiabá (PGM) fizesse um parecer sobre a situação dela e descobriu, extrajudicialmente, que o contrato de Elizabete já expirou e, por isso, será exonerada assim que ela retornar da licença médica. 

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER