09 de Julho de 2021, 07h:21 - A | A

Nacional / CASO COVAXIN

Bolsonaro diz que não vai responder carta de CPI: "Caguei"

A carta encaminhada pela direção da CPI da Covid no Senado pediu um posicionamento do presidente sobre a acusação do deputado Luís Miranda

TERRA




 O presidente da Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que irá ignorar carta encaminhada pela direção da CPI da Covid no Senado pedindo um posicionamento sobre acusação do deputado Luís Miranda (DEM-DF) de que ele teria relacionado o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), com supostas irregularidades na compra da vacina indiana contra covid-19 Covaxin.
Bolsonaro recomendou, ainda, na tradicional transmissão semanal ao vivo pelas redes sociais, que o presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), Omar Aziz (PSD-AM), o vice-presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), e o relator, Renan Calheiros (MDB-AL), "deitem" para esperar uma resposta à carta assinada por eles, que foi protocolada na tarde desta quinta-feira no Palácio do Planalto.
"Hoje foi, acho que não sei se foi o Renan, ou o Omar, e o saltitante, fizeram uma festa lá embaixo, na Presidência. (Vieram) entregar um documento para eu responder pergunta à CPI", disse Bolsonaro.

Leia também:
Medeiros aciona PGR e Senado para afastar presidente da CPI da Covid

"Vocês sabem qual a minha resposta, pessoal? Caguei. Caguei para a CPI. Não vou responder nada", acrescentou.
O presidente voltou a negar qualquer irregularidade no processo de compra da Covaxin, sob o argumento de que não foi recebida nenhuma dose da vacina. O governo federal chegou a empenhar recursos para a compra, mas o contrato foi suspenso após as denúncias.

Bolsonaro também reforçou a carga contra os dirigentes da CPI, sustentou que a comissão tem o interesse de desgastar o governo e acusou os integrantes do chamado G7 --grupo majoritário na comissão formado por senadores independentes e de oposição-- de não estarem "preocupados com a verdade".

"Não vou entrar em detalhe sobre essa CPI aí desse, do Renan Calheiros e do Omar Aziz, que dispensa comentários. E não vou responder nada para esses caras. Eu não vou responder para esse tipo de gente em hipótese alguma."

Assinada por Aziz, Randolfe e Renan, a carta protocolada mais cedo pede uma resposta de Bolsonaro sobre o que foi dito por Luís Miranda em depoimento à CPI.

Segundo o deputado federal, que afirma ter apresentado pessoalmente a Bolsonaro no Palácio da Alvorada indícios de irregularidades no contrato para a compra da Covaxin, o presidente respondeu ao relato dizendo ser "coisa do Ricardo Barros". Bolsonaro ainda não comentou a declaração de Miranda sobre Barros, ocorrida em 25 de junho.

"Somente vossa excelência pode retirar o peso terrível desta suspeição tão grave dos ombros deste experimentado político, o deputado Ricardo Barros, o qual serve seu governo em uma função proeminente", sustentam os senadores na carta endereçada ao presidente da República.

Comente esta notícia



GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076

RepórterMT
G5 NEWS
CONEXÃO PODER