21 de Setembro de 2021, 10h:09 - A | A

Poderes / RADICALISMO POLÍTICO

Rei da soja diz que atuação de Galvan "queima" produtores e Aprosoja

Antônio Galvan é investigado pela Polícia Federal pelo suposto financiamento de manifestações que pregam o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF).

DAFFINY DELGADO
DA REDAÇÃO




O produtor rural e proprietário do Grupo Bom Futuro, Eraí Maggi, conhecido como o 'rei da soja', afirmou na manhã desta segunda-feira (20), que a atuação do presidente da Aprosoja Brasil, Antônio Galvan, é "terrível" para a imagem da entidade e para os produtores de Mato Grosso.

Galvan que foi líder da instituição no Estado, está sendo investigado pela Polícia Federal pelo suposto financiamento de manifestações antidemocráticas que pregam o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF).

A Aprosoja chegou a ser alvo de buscas da PF e ter contas bloqueadas às vésperas do 07 de setembro. Para o agricultor, a conduta do diretor desvia a instituição da função de defender os interesses comuns dos produtores rurais.

“Ele [Galvan] atrapalha até quem quer ajudar o presidente Bolsonaro. A Entidade tem que cuidar da função da Entidade e não de política. E tem muito para cuidar, infraestrutura, projetos, coisas que vão trazer dinheiro ao produtor. Esse radicalismo tira dinheiro de Mato Grosso e desvirtua a associação. Tem que cuidar dos interesses do produtor. Somos contra o radicalismo. Na porrada, no achismo, não se chega a lugar nenhum”, declarou.

Saiba mais

CPI deve convocar Galvan para depor sobre suposto uso de recursos públicos na Aprosoja

Aprosoja nega financiar manifestações e diz contribuir com inquérito

“Nós criamos a Aprosoja, mas a função dela é fazer um trabalho para o desenvolvimento da soja, do milho. Não misturar política, misturar ideologia. Isso atrapalha a associação. Hoje tem um governo, amanhã tem outro e a entidade é para sempre. Então essa imagem é terrível”, completou.

As investigações contra Galvan começaram em agosto, após ele ser clicado ao lado do cantor Sérgio Reis e outros apoiadores do presidente Jair Bolsonaro afirmando que os produtores fariam pressão para que o Senado abrisse processo de impeachment contra os ministros do STF.

Convocado a depor na CPI

Galvan será convocado para depor na CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal, na Assembleia Legislativa, sobre o suposto uso de recursos públicos na Aprosoja Mato Grosso quando era chefiada por ele.

O pedido para ouvir Galvan foi feito pelo presidente da CPI, o deputado Wilson Santos e aprovado na segunda-feira (20).

Leia também: 

Alexandre Moraes manda rastrear transferências feitas pela Aprosoja a partir de 10 de agosto

Aprosoja tem contas bloqueadas por suspeita de patrocinar manifestações com dinheiro público

Recentemente, o filho do presidente da Aprosoja, Rafael Galvan, acusou o pai, em grupo de WhatsApp, de malversação de recursos públicos.

A CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal também pediu ao ministro do STF, Alexandre de Moraes, que encaminhe os documentos que o levaram a pedir o bloqueio de contas da Aprosoja.

Comente esta notícia



Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit

Rua das Orquídeas, 247 Bosque da Saúde Cuiabá - MT 78050-010

(65)33583076